top of page
Post: Blog2_Post
  • Foto do escritorNara Guichon

Instalação "O mar que não vemos", de Nara Guichon, na Casa Mario Quintana, em Porto Alegre

Atualizado: 20 de jun. de 2022









Tendo como eixo a sustentabilidade, a ética ambiental e a valorização dos saberes artesanais, Nara Guichon (Santa Maria, RS, 1955) construiu, ao longo de cinco décadas, uma trajetória reconhecida nacional e internacionalmente na área do design têxtil. Sua matéria prima fundamental, para a surpresa de muitas pessoas, vem do lixo.


A região em que Nara vive, no sul da ilha de Florianópolis (SC), é caracterizada pela

atividade pesqueira. Foi em 1998, vendo os entulhos que chegavam à orla, trazidos pelas correntes marítimas, bem como as centenas de redes de pesca desgastadas e abandonadas junto ao mar, que ela resolveu se apropriar desse material, convertendo o que estava reservado ao monturo em substância para projetos na área de design e moda sustentável. Há pelo menos quatro anos, no entanto, Nara vem se dedicando exclusivamente às artes visuais. Sem abrir mão das redes de poliamida e dos processos tradicionais que são sua marca, começou a desenvolver estruturas têxteis grandiosas, que escancaram a urgência do socorro à natureza.


O mar que não vemos, instalação apresentada no Jardim Lutzenberger da Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre, evidencia o elemento responsável por cerca de 40% da poluição mundial dos oceanos. Além das redes de pesca, são utilizados sacos plásticos, tecidos rejeitados pela indústria têxtil e mesmo roupas jogadas fora. Um trabalho pautado, portanto, no reaproveitamento e na ressignificação.


Em seu processo criativo, Nara recolhe as redes, lavando-as somente com água e

sabão; o tingimento paulatino, que pode demorar meses ou até mesmo anos,

é feito com pigmentos naturais, como casca de cebola, erva-mate, cúrcuma,

vinagre e terra. Na sequência, adotando a costura manual e o enrolamento de

fios e redes, a partir de arames galvanizados igualmente recolhidos como refugo,

ela cria estruturas orgânicas e polimorfas, em diálogo com formas da natureza.


Inéditas, as obras em exibição assinalam o amadurecimento poético da artista e

encontram, neste espaço, um invulgar acolhimento. Afinal, na casa que honra o

poeta, temos o jardim que homenageia o agrônomo e ecologista José Lutzenberger (1926–2002), incansável em sua luta pela preservação do meio ambiente. Assim como Nara Guichon.


Paula Ramos

Crítica e historiadora da arte, professora do Instituto de Artes da UFRGS



 

Você pode saber mais no site da Casa de Cultura Mario Quintana.

45 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page