top of page
Post: Blog2_Post
  • Nara Guichon

Cânhamo: saiba mais sobre essa fibra versátil e ecologicamente limpa


Você sabia que a primeira calça jeans da conhecida marca Lewis foi feita de cânhamo? E que quando ocorreu o acidente nuclear em Chernobyl, para eliminar parte das toxinas pesadas do solo o cânhamo foi plantado nas cercanias da usina? Ou ainda, que as velas e cordas das embarcações usadas nas grandes travessias, como a de Cristóvão Colombo eram feitas com essa mesma fibra?


O cânhamo acompanha boa parte da história da humanidade. Há registros do uso dessa matéria prima em tumbas datando de 8000 anos antes de Cristo. Atualmente o cânhamo é considerado a fibra vegetal mais sustentável de todas, além de ser também a mais resistente, sendo usada tanto na moda, decoração, construção e em diversos outros empregos.


Por isso podemos afirmar que quase tudo o que é feito de plástico poderia ser feito com cânhamo. Essa frase, muito utilizada pelos estudiosos dessa planta, é uma verdade ainda muito pouco conhecida.



Plantio do cânhamo em Portugal. Foto: Green Science Time


Cânhamo: versatilidade e qualidade


O cânhamo é talvez a fibra vegetal mais versátil de todas. Suas aplicações são quase ilimitadas. Dele podemos extrair alimentos, tecidos, compostos para a construção civil, isolantes térmicos e até mesmo criar elementos capazes de substituir o plástico. Tudo isso de modo biodegradável, com cultivos que não exigem uso de agrotóxicos ou pesticidas, com baixo consumo de água e alto rendimento.


Graças ao seu baixo custo de produção e grande resistência a diferentes tipos de solo e climas, o cânhamo é uma alternativa sustentável e muito mais viável do que fibras como algodão ou linho.


Mas se o cânhamo é tão versátil e nobre, porque não o utilizamos mais frequentemente em nosso cotidiano?


Uma planta estigmatizada pelo capitalismo

Diversos motivos afastaram o uso dessa nobre planta da cultura ocidental. Em países orientais como Índia e Ásia o seu uso sempre foi comum. O principal motivo dessa recusa no ocidente é o estigma criado pela indústria têxtil sobre o cânhamo, que é uma planta da família da Cannabis sativa, a popular maconha.


É importante saber que o cânhamo e a maconha são plantas da mesma espécie, mas geneticamente diferentes e cultivadas com objetivos distintos. O cânhamo é só mais uma das inúmeras plantas que são classificadas como canabiáceas. A falta de conhecimento faz com que a maior parte das pessoas achem que essa planta é cultivada para fins de uso como droga, o que é uma grande mentira disseminada pelos interesses de diferentes indústrias.


Esse estigma de planta maldita não é casual. Desde os anos 60 e 70, com o início da política americana de guerra às drogas implementada pelo presidente Nixon, o cânhamo passou a incomodar não só os altos escalões do governo americano (os EUA viam o consumo recreativo de maconha como uma ameaça ao sistema de recrutamento soldados para a infame Guerra do Vietnã), mas também os grandes nomes da indústria têxtil mundial.


Para a indústria capitalista centralizada no algodão e nos derivados de petróleo (como a lycra, o poliéster e demais fibras sintéticas) a ênfase dada sempre foi ao menor custo, sem levar em consideração os danos ambientais causados nesse processo. Desta forma, o cânhamo foi considerado uma ameaça ao sistema.


Ou seja, em nome do lucro de meia dúzia de empresas, boa parte da sociedade mundial foi praticamente proibida de usar uma fibra natural única e incrivelmente versátil, mas que acabou sendo banida do ocidente.


Hoje a fibra começa a ser redescoberta pelas novas gerações, que sempre viram a planta como algo proibido. Diversas empresas, especialmente aquelas situadas em países onde o consumo da canabis é legalizado, já estão transformando essa matéria em diferentes produtos de altíssima qualidade. Como esse é um assunto amplo e ainda repleto de dúvidas, separei alguns usos e aplicações do cânhamo que atestam sua larga gama de utilidades.



Sementes de cânhamo e seus óleos derivados. Foto: Site Conquiste sua Vida.


Uso na alimentação


Poucos sabem que a semente de cânhamo é considerada um superalimento, pois ela reúne em sua forma natural uma grande variedade de nutrientes e benefícios comprovados à nossa saúde.


A semente da planta é riquíssima em proteínas e ácidos graxos essenciais, além de ter doses consideráveis de cálcio, ferro, fósforo, manganês, magnésio e vitaminas do complexo B e E. As sementes de cânhamo não têm THC, o composto responsável pelos efeitos alucinógenos da maconha, por isso a sua utilização é totalmente segura.


Em 100 gramas de semente de cânhamo encontramos cerca de 25% de proteína, o que faz dela o tipo de alimento ideal para dietas veganas ou de consumo reduzido de conteúdo de origem animal.


Como as sementes de cânhamo não têm anti nutrientes ou inibidores de enzimas, não precisam ser demolhadas, ao contrário de outras sementes ou artigos como feijão, lentilha e grão de bico.


Embora difíceis de serem encontradas no Brasil, as sementes de cânhamo e seus derivados estão presentes nas prateleiras das principais lojas de alimentação saudável e orgânica na Europa, EUA e Canadá. Lá é comum encontrar uma grande oferta de chocolates, biscoitos, leites e óleos feitos com essas nutritivas sementes.



Hempcrete: blocos para construção feitos a partir da fibra do cânhamo. Foto: Kaya Mind.


Cânhamo como material de construção


O cânhamo pode também ser usado com sucesso na construção civil. O “Hempcrete” – junção das palavras “hemp” e “concrete”, “maconha” e “concreto” – já é utilizado em diversos países como uma alternativa ao concreto ou estruturas de plástico.


O composto demonstrou ser de ótima qualidade, principalmente em países com climas extremos, ou muito frios ou muito quentes, uma vez que o hempcrete é um excelente isolante térmico.


Se trata de um composto feito a partir da fibra de cânhamo e que pode ser usado para fazer isolamentos térmicos, telhados, pisos ou em projetos de restauração. Este também é um material com alta durabilidade, que pode ser usado, se adequadamente instalado, por séculos.



Tecidos, cordões e linhas feitos a partir do cânhamo. Foto: Ministry of Hemp.


Uso na indústria têxtil


Dentre tantos usos, o cânhamo realmente se destaca enquanto fibra têxtil. Sua resistência, maleabilidade, durabilidade e leveza fazem do cânhamo talvez a fibra vegetal mais versátil existente.


As vantagens do uso do cânhamo começam logo no cultivo. Ao contrário de fibras como algodão ou linho, que consomem cerca de 50% de todos os agrotóxicos agrícolas no planeta, o cânhamo pode ser produzido sem a necessidade de compostos químicos nocivos.


O cânhamo é também uma planta considerada ideal para o bom uso do solo. Quando cultivado do modo correto, o cânhamo ajuda a equilibrar o PH natural dos solos e a remover as toxinas. Isso significa menor risco de esgotamento ambiental provocado por monoculturas, como é o caso do algodão.


Essa é uma vantagem que se reflete em toda a cadeia produtiva. Sem o uso de agrotóxicos em seu cultivo, o cânhamo oferece uma fibra mais limpa, sem compostos residuais, fibra essa que será usada na criação de roupas e acessórios livres de contaminação.


Outro fato importante é que o tecido feito a partir do cânhamo é incrivelmente durável e maleável, sendo altamente resistente aos raios UV. Dessa forma, podemos criar roupas e acessórios de origem natural e ainda capazes de nos fornecer proteção térmica e contra a radiação solar.




3 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page